Elias João

"Jesus Cristo a Luz do Mundo"

Textos



MORGAN E AS CRIATURAS - CAP IX

Morgan resolve fazer um passeio pelas terras e pelas fazendas locais. Ele está totalmente quebrado, sem dinheiro e anda a pé. Ele retorna para aquela vidinha que vinha levando antes de se tornar uma autoridade municipal. Mas, tudo se acabou como pó. Morgan, além de perder sua esposa em um acidente, agora perdeu tudo e as autoridades ainda estão no encalço para lhe prenderem. Morgan não tem mais o que se preocupar, pois, já perdeu tudo o que tinha e o que ainda estava escondido em sua casa, acaba de ser saqueado pela população, que se revoltou com ele, assim que chegou na cidade. Por pouco não fizeram um linchamento, mas ele escapou depressa e embrenhou-se na mata densa, justamente para que ninguém o encontrasse. Morgan estava sentado ao pé de uma grande árvore e de repente uma grande luz desceu sobre onde ele estava. Era a Criatura que acabara de descobrir Morgan. Um grande facho de luz desce de um objeto e umas criaturas descem através da luz e caminham em direção a Morgan. Ninguém disse nada. Morgan estava com bastante medo e de tudo o que lhe havia acontecido, este parecia ser o pior dos acontecimentos. Morgan se encosta cada vez mais junto ao tronco e as Criaturas se aproximando dele. Eram homenzinhos de um metro de altura. Parece que os grandes ficaram dentro do objeto “voador”, que parecia estar ligado, mas, não fazia qualquer barulho. Morgan achou muito esquisito, pois, além de não fazer nenhum barulho, não tinha escapamento e nem fazia fumaça, ao contrário dos velhos carros que Morgan possuía, que saia muita poluição. Eles encostam cada vez mais e Morgan tenta escapar, mas, foi inútil. Eles tocam em Morgan e conseguem levá-lo para o interior do objeto, que parecia mais com um disco voador. Assim que Morgan pisou no objeto voador, ele entrou em desespero e começou a distribuir tapas e pescoções para todo lado. Mas, era inútil aquilo, pois, eles eram muito mais fortes e, além disso, tinha uma espécie de seringa e aplicavam em Morgan, assim que ele despertava. O objeto não tinha janelas e somente luzes. Morgan não sabia onde estava, pois, não dava para ver coisa alguma. Ele foi posto em uma grande mesa e em sua volta tinham diversas criaturas. Pareciam que eram médicos. Morgan foi totalmente imobilizado e atado a fios por todo o corpo. Morgan viu o mundo girar, depois que lhe aplicaram uma substância esverdeada em seu pulso. As criaturas fizeram uma incisão no abdômen de Morgan, ele não sentiu qualquer dor, mas estava vendo tudo o que faziam. Morgan não entendeu nada e uns minutinhos depois passaram Morgan para uma outra sala. Morgan observou que havia pessoas lá e que estavam imóveis. De uma coisa Morgan estava quase certo. “Jamais ele sairia vivo dessa”. Ele não tinha saída e estava totalmente perdido. Morgan não sabe quanto tempo esteve ali. O que realmente sabe, é que muitas pessoas estavam como se fossem congeladas, totalmente imobilizadas. Ele despertou do seu sono, porém, como não tinha nenhum relógio ou calendário, ficou totalmente perdido no tempo. Mas, isso agora não era tão importante e ele que mesmo era sair vivo dessa. Morgan não entendeu nada e nem o porque de o terem levado, mas, de repente ele sente um solavanco e a porta se abre logo abaixo dos seus pés e o facho de luz parece que o sustenta no ar e imediatamente ele retorna para o mesmo lugar de onde teria sido capturado. Ele foi abandonado no meio da floresta e no mesmo local. Morgan encosta-se à arvore e adormece, pois, estava muito cansado. A noite chega e com ela os perigos noturnos, Morgan logo pensou, será que terei que passar por tudo aquilo novamente? Se isto acontecer, juro que tentarei tirar minha vida. Mas, parece que Morgan estava adivinhando algo e ouve passos e galhos secos sendo quebrados no mato. Tudo estava muito escuro e Morgan já sentia um vento gelado soprar o seu rosto. Morgan passou as mãos no rosto e percebeu que a suas barbas estavam abaixo do pescoço e deduziu logo, que esteve muitos anos fora, pois, quando saiu estava com a mesma feita. Mas, o que consegue lembrar é somente o momento em que foi capturado e nada mais. E naquele escuro total, de não se enxergar nem as estrelas, pois, estava nublado e com promessas de chuvas para completar a noite. Morgan se recorda que no dia em que foi capturado, estava totalmente limpo o céu e dava para ver as estrelas nitidamente. Somente isto o que se recorda. E os galhos continuam sendo quebrados e cada vez mais perto estava o barulho. Morgan ainda tinha o seu velho canivete e o retira do bolso e fica de prontidão, preparado para qualquer tentativa de alguém lhe ferir. “Morgan era um homem muito rude e bruto e a vida não conseguiu mudar o seu jeito de agir e de pensar e mesmo tendo passado por diversas dificuldades ele nunca mudou. Talvez nunca mudará mesmo, pois, dizem que “pau que nasce torto até as cinzas são tortas”, este é o caso particular de Morgan, estará fadado a ter as perturbações em sua vida. Morgan se recorda que ainda criança foi muito maltratado pelos pais e por ser uma criança não muito atraente, pois, a natureza não foi muito generosa com ele, lhe trazendo ao mundo com uma feiúra surpreendente. Morgan era uma criança tão feia, que ninguém o queria nos braços e por isso mesmo vivia pelo chão de terra batida da casa. Sua mãe quase nunca tinha olhares para ele, e mal lhe dava o seu alimento. Nunca obteve os carinhos maternos e porque não dizer paternos. Não se sabe se possuía irmão. Morgan conta que perdeu seus pais ainda muito jovem, com apenas 10 anos de idade. Em relação a seus pais, relata Morgan, eram bastante feios também e inclusive seus nomes eram feios, o pai chamava-se Mariogan e a mãe Martinhoga. Sua refeição era posta em um prato, que sua mãe colocava no chão mesmo e ele como tinha fome comia com as próprias mãos, fazendo a maior lambança e se sujava todo. Quando era hora do banho, sua mãe o colocava numa bacia grande e deitava-lhe água na cabeça e sabão preto que ardia seus olhos e o fazia chorar e gritar muito, enquanto sua mãe parecia se divertir e dava muitas risadas e seu pai ria muito daquilo também. Isto acontecia todos os dias e Morgan tinha os olhos inchados de tanto chorar e esfregarem pela ardência do sabão. Enquanto isto era retirado da bacia de banho, ainda com muita espuma pela cabeça e pelo corpo. Morgan nunca se esqueceu de tudo isto que lhe fizeram. Morgan nunca teve oportunidade de sentar-se a um banco de escola e mesmo que tivesse, talvez não aprenderia muito, pois, os colegas não lhe deixariam se concentrar de tanta atazanação. Morgan lembra ainda que na sua infância, além desses maus tratos, seu pai e sua mãe tinham o costume que lhe dar sovas sem que estivesse fazendo algo de errado. Era por puro prazer de ver o feioso Morgan fazer uma cara ainda mais feia. E desde que seus pais se foram, Morgan viveu perambulando pelas ruas sem ter onde dormir ou de comer dignamente. Estava sobrevivendo da ajuda das pessoas, sobrevivendo de esmolas.” Mas, o que estava em jogo naquele momento era justamente a questão de sobrevivência e Morgan estava agora em apuros e no escuro da noite aquele barulho chegando a cada vez mais perto. Morgan dá um golpe com o seu velho canivete e parece ter ferido alguém, mas não escutou nenhum gemido. Morgan acabou dormindo ali mesmo, pois, não tinha para onde ir, Já que não enxergava nada. Os primeiros raios de sol despertam Morgan do seu profundo sono, ele percebe que está com o seu canivete na mão e está sujo, não de sangue, mas de uma substância fedorenta e verde. Morgan não tinha mais dúvidas, ele esteve lutando com coisas muito estranhas. Ele sente uma coceira na barriga e levanta a sua camisa e vê um corte que vai do umbigo até às espinhelas. Ele não conhece essa cicatriz e jura que nunca esteve em algum hospital ou coisa parecida, mas, ele passa a mão e vê que tem algo dentro dele, somente não sabe o que significa. Porém, Morgan não é tão burro o quanto parece e já desconfia que aquelas criaturas fizeram-no de cobaia e implantaram algo dentro dele e estão monitorando-o neste momento, só pode ser isso diz ele. Morgan sai desesperado da floresta e vai para a cidade. Chegando lá, ele não conhece ninguém e todas as pessoas eram diferentes. Ele procura saber do prefeito, mas, informam que ele não se encontra. Ele percebe muitas mudanças no local, procura sua casa e no local está construído um estádio de futebol, onde era a prefeitura virou avenida etc. ele procura saber a quanto tempo foi construído o estádio de futebol, ele dizem que a uns 50 anos. Morgan fica maluco agora, pois, passaram-se 50 anos e todos os seus amigos e conhecidos que haviam ou se mudaram de localidade ou até mesmo falecidos. Mas pelo aspecto de Morgan, ficou muito tempo no espaço mesmo. Até mesmo a polícia que perseguia Morgan, não persegue mais, pois, já se passaram anos demais. Morgan sente novamente uma coceira na barriga e procura um serviço médico, eles pedem documentos de Morgan e conseqüentemente não os apresenta, pois, não tem nenhum. Morgan então vai até o setor de registro civil e pede uma 2ª via de sua identidade e tem uma triste notícia, de que ele havia falecido a uns 50 anos atrás. Morgan tenta se explicar, mas, é inútil e a moça acaba por chamar os seguranças e pede para retirar Morgan dali, pois, estava querendo fazê-la de idiota e perturbando a ordem dos serviços. Morgan fica indignado com tudo o que está acontecendo e assevera que não morreu e que foi levado num disco voador por criaturas estranhas... As autoridade e seguranças não acreditam em Morgan e fazem sinais de que este velho está mesmo “biruta” e zombam da cara dele e mandam que vá procurar o que fazer. Ainda dizem “seu velho fedorento”. Morgan é jogado na rua mais uma vez e desta vez está difícil, pois, até morto ele está. Morgan pensa “bando de idiotas, não acredita no que eu estou falando, pois, eles hão de ver o que acontecerá. Ele retorna para a floresta e recebe novamente a estranha visita dos seres extraterrestres. Uma das criaturas, passa a mão pela barriga de Morgan e por alguns instantes parece que estava copiando algo. Desse momento em diante retornam imediatamente para a nave de onde vieram, mas, antes disso, eles param defronte a Morgan, num total de cinco criaturas e parecem conversar e Morgan está parado e ficam ali por alguns minutos e depois vão embora.

- Morgan retorna para a cidade e desta vez, parece que as pessoas o reconhecem e cumprimentam, saúdam e fazem festa. Ele com certeza passou por uma espécie de monitoramento e as criaturas estão usando Morgan, para conquistar a cidade, mas ninguém percebe e nem mesmo Morgan tem idéia do que está acontecendo. Por enquanto está tudo bem, Morgan está sendo bem tratado e o que ele quer agora e somente aproveitar tudo isso, pois, não sabe quanto tempo isso deve durar. Agora Morgan tornou-se a mais nova celebridade da localidade e é chamado para todo evento. Inaugurações, Festas de formaturas, Aniversários, Apresentações em estádios, missas etc...Morgan aproveita o momento e de acordo com o que Morgan descreveu para as autoridades, as criaturas estão bem próximas da cidade, porém, as pessoas, preferem achar que Morgan está mesmo ficando biruta e não dão muita importância para o que ele fala. Morgan está ficando velho da noite para o dia, parece que os efeitos do tempo estão acabando com ele, mas, na realidade, o que acontece com Morgan, é que está sendo vigiado pelas criaturas e isto tem sugado suas energias a ponto de aniquilar de vez a matéria. Morgan parece ter mais de cem anos, barbas longas e corpo esquelético. Morgan vive os dias dourados de sua vida e nunca foi tão aplaudido e parece estar vivendo em uma época de eleição. Morgan só não tem idéia de até quando isto vai durar... Mas deixa acontecer...

A aventura continua... Agora encontram-se Jonh a Criatura e Morgan, cap X, será o que irá dar isso..?
Ej...!!!
Jonh...!!!
18-02-2021
eliasjoao
Enviado por eliasjoao em 18/02/2021
Copyright © 2021. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Site do Escritor criado por Recanto das Letras